50 questões
50 questões
Não será o demónio
uma invenção para desculpar
as nossas más inclinações?

O universo confrontou-se desde a sua criação com o mistério da iniquidade. "0 mal não é apenas uma deficiência, explica Paulo VI, mas uma eficiência, um ser vivo, espiritual, pervertido e que perverte. Realidade terrível. Misteriosa e assustadora. É o inimigo número um, é o tentador por excelência. Sabemos que este ser obscuro e perturbador existe realmente, e que age com uma astúcia sub-reptícia; é o inimigo oculto que semeia erros e infelicidade na história do homem"... e a sua suprema astúcia é fazer crer que não existe!

O demônio é, pois, uma criatura de Deus. Criado bom e livre, revoltou-se contra Ele. O seu plano é destruir a obra de Deus. Desfigurar e aniquilar a Criação. O pecado não deriva só das nossas fraquezas, tem a sua origem naquele que é o Tentador: a morte, o sofrimento e o mal são, assim, diretamente causados por aquele que, homicida por essência, quer anular a relação do homem com Deus.

Mas Jesus, pelo poder da Sua Cruz, venceu o mal. Ele é o Salvador de toda a humanidade e a sua ressurreição é o sinal da vitória definitiva de Deus sobre o poder das trevas no final da História.

No que nos diz respeito, o demônio procura incessantemente conduzir-nos ao pecado através do disfarce de cumplicidades pessoais e sociais. Algumas das más inclinações existem em cada um de nós. Não são simplesmente tendências negativas, mas têm raízes mais profundas no pecado original. Por isso, a sexualidade desordenada, a toxicomania, a violência provocada, a pornografia são outras tantas atitudes que ferem, ao mesmo tempo, o homem, a criação e o próprio Deus. São outras tantas realidades que refletem um desespero profundo, e que mostram em que inferno, em que alienação da sua própria liberdade, o homem pode encerrar-se aqui na terra, quando não sabe, ou deixou de saber, que foi criado por Deus, à sua imagem e semelhança, pelo amor e para amar.